Voluntariado do Viva Rio abre campanha SOS Haiti


10/10/2016

  Compartilhe:   Compartilhe com o Facebook   Compartilhe com o Twitter

O Voluntariado do Viva Rio criou a campanha SOS Haiti, para ajudar as vítimas do furacão Matthew, que provocou mais de mil mortes, além de feridos e de um rastro de destruição no país que ainda não havia conseguido se recuperar totalmente do terremoto de 2010, quando morreram 300 mil haitianos. As doações em dinheiro podem ser enviadas para o Banco do Brasil, conta-corrente 607736-6, agência 0087-6, CNPJ: 00343941/0001-28 “Quem não puder doar dinheiro, poderá encaminhar palavras de carinho às vítimas, pelo Facebook do Viva Rio“, explicou a coordenadora do Voluntariado, Cibele Dias.

 

Post Furacao Matthew_help

 

Rubem falou à Globonews sofre furacão

A população de Porto Príncipe, capital do Haiti, e as prefeituras da região metropolitana estavam melhor preparadas para reagir ao furacão, descreveu o diretor executivo do Viva Rio, Rubem César Fernandes, ao programa Estúdio I, na Globonews, logo depois de voltar do país caribenho.

Rubem

Rubem estava no Haiti durante o furacão e falou sobre isso à Globonews | Foto: Vitor Madeira

O Haiti decretou luto nacional oficial de três dias a partir deste domingo (09), por meio de um decreto emitido pelo presidente, Jocelerme Privert. Segundo Rubem, embora Porto Príncipe não estivesse no olho do furacão, localizado no sul do país, os ventos na capital chegaram a 200 km/hora.

furacao no Haiti

Imagens registradas no sul do país, onde estava localizado o olho do furacão |Reprodução EBC

Ao comparar os danos do furacão com os do terremoto, que provocou 300 mil mortes – Rubem também havia falado sobre a tragédia, que assistiu de perto, à Globonews – o diretor do Viva Rio observou que as pessoas tiveram mais tempo para se preparar: “Elas puderam ir para casa de amigos, para os abrigos e as igrejas. No terremoto não, porque tudo aconteceu de repente”.

Viva Rio no Haiti

Segundo o responsável pelas instalações do Viva Rio no Haiti, Valmir Fachini, a Academia Pérolas Negras, em Croix de Bouquet, na Região Metropolitana, ou no Centro de Formação e Ecoturismo em Arcahaye, na região de Cote des Arcadins, não houve perdas humanas. “O que fizemos foi dar apoio aos grupos que atuaram na prevenção junto à grande comunidade formada após o terremoto ao nosso redor, utilizando os caminhões do Viva Rio para acelerar a remoção das famílias que foram orientadas a deixarem suas casas e irem para os abrigos públicos”,informou.

Segundo ele, em Cote des Arcadins, onde ocorreram perdas materiais, foi formado um grupo de apoio da comunidade de Kat Kalen para ajudar a remover os escombros que restaram das construções privadas atingidas pela fúria das ondas.

Autoridades públicas avaliam que ao menos 350 mil pessoas precisam de assistência. Foi relatada ainda preocupação com o os casos de cólera a serem provocados pelas inundações causadas pelo Furacão Matthew. Um surto de cólera em curso já matou cerca de 10 mil pessoas e adoeceu mais de 800 mil desde 2010.

(Texto: Celina Côrtes| Fotos: Vitor Madeira| Imagens: EBC)