Saúde da Família

Atenção Primária: Centro Municipal de Saúde (CMS), Clínica da Família (CF) e Centro de Atenção Psicossocial (Caps)

Os Centros Municipais de Saúde (CMS) e as Clínicas da Família (CFs) são equipamentos que compõem a rede de atenção primária à saúde do município, sendo mais de 200 unidades de CMS e CFs por toda a cidade do Rio de Janeiro.

Eles se diferenciam por sua estrutura (de alvenaria ou modular) e pelo percentual de cobertura da população cadastrada por equipes de Saúde da Família. Mas todos oferecem os mais de 200 serviços padronizados pela prefeitura, entre eles: consultas individuais e coletivas; visitas domiciliares; atenção às diversas fases da vida e linhas de cuidado (pré-natal, saúde da mulher, saúde do idoso, saúde da criança, doenças crônicas não transmissíveis, doenças sexualmente transmissíveis, entre outros); exames laboratoriais e de diagnóstico por imagem; curativos; planejamento familiar; teste do pezinho; vacinação; tratamento do tabagismo; desintoxicação alcoólica.

A atenção primária à saúde tem por objetivo cuidar de pessoas, em vez de apenas tratar doenças ou condições específicas. Esse nível de atenção pode atender de 80% a 90% das necessidades de saúde de um indivíduo ao longo de sua vida. Isso inclui um espectro de ações que vão desde a promoção da saúde e prevenção até o controle de doenças crônicas e cuidados paliativos.

Para isso, contam com a expertise de equipes multidisciplinares, compostas por médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e agentes comunitários de saúde, além dos profissionais das equipes de Saúde Bucal (dentistas, técnicos e auxiliares de saúde bucal) e profissionais dos Núcleos Ampliados de Saúde da Família e Atenção Básica (Nasf-AB).

Cada Nasf constitui uma equipe multiprofissional e interdisciplinar composta por diferentes categorias de profissionais da saúde, atuando de maneira integrada para dar suporte (clínico, sanitário e pedagógico) aos profissionais das equipes de Saúde da Família, realizando apoio matricial às equipes das unidades no território.

Já os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) são unidades que fornecem atendimento às pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso abusivo de álcool e outras drogas, estejam em situações de crise ou em processo de reabilitação psicossocial.

Tijuca e Vila Isabel - Área Programática 2.2

O Viva Rio assumiu, em março de 2021, a gestão de sete Centros Municipais de Saúde e duas Clínicas da Família que atendem aos bairros de Alto da Boa Vista, Andaraí, Grajaú, Maracanã, Praça da Bandeira, Tijuca e Vila Isabel. Ao todo, são 45 equipes de Saúde da Família, 14 equipes de Saúde Bucal e 2 Núcleos de Apoio à Saúde da Família.

O território abrangido por essas nove unidades de saúde compreende 55 km² e tem o segundo maior grupo etário de idosos da cidade (22,1% acima de 60 anos). De acordo com dados do Instituto Pereira Passos (IPP), tomando como referência o Censo IBGE de 2010, a região atendida tem cerca de 371 mil habitantes (cerca de 6% da população da cidade).

A área conta ainda com 33 favelas, dois terços delas localizadas na região da Tijuca. Duas unidades são caracterizadas como de “periculosidade e difícil acesso”: os CMSs Nilza Rosa (Morro da Formiga) e Casa Branca (Complexo do Borel).

 

 

Zona da Leopoldina - Área Programática 3.1

Com 30 unidades – sendo 17 Clínicas da Família e 13 Centros Municipais de Saúde – a AP 3.1 localiza-se no entorno do eixo da Estrada de Ferro da Leopoldina e congrega seis Regiões Administrativas: Ramos, Penha, Vigário Geral, Ilha do Governador, Complexo do Alemão e Complexo da Maré.

O Viva Rio começou a gestão dessas unidades em abril de 2021.

O conjunto de bairros da AP 3.1 abriga, de acordo com o Censo de 2010 do IBGE, mais de 850 mil habitantes. Trata-se de uma população composta majoritariamente por jovens adultos – um terço do total está na faixa etária de 20 a 39 anos – e com 13% acima dos 60 anos. A AP 3.1 possui 186 equipes de Saúde da Família, 58 equipes de Saúde Bucal e 7 Núcleos de Apoio à Saúde da Família.

 

 

Campo Grande e Guaratiba - Área Programática 5.2

A AP 5.2 compreende 34 unidades da prefeitura sob a gestão do Viva Rio desde maio de 2021. São 17 Centros Municipais de Saúde e 17 Clínicas da Família distribuídas entre duas Regiões Administrativas (RAs): Campo Grande e Guaratiba.

Contam com 150 equipes de Saúde da Família, 47 equipes de Saúde Bucal e 10 Núcleos de Apoio à Saúde da Família.

A RA de Campo Grande, com cerca de 484 mil habitantes, é a mais populosa da cidade, enquanto a de Guaratiba tem o pior Índice de Desenvolvimento Humano (0,744), entre todas as RAs cariocas.

A Região Administrativa de Campo Grande inclui os bairros de Santíssimo, Senador Vasconcellos, Inhoaíba e Cosmos, e suas unidades de saúde pública eventualmente recebem pacientes de municípios limítrofes, como Nova Iguaçu, Seropédica e Itaguaí.