SAÚDE EM REDE

Centros Municipais de Saúde (CMS), Clínicas da Família (CF) e Centros de Atenção Psicossocial (CAPS)

Nos primeiros meses de 2021, numa parceria com a Prefeitura Municipal do Rio de Janeiro, o Viva Rio assumiu a gestão de 48 Centros Municipais de Saúde (CMS) e 53 Clínicas da Família (CFs) do Município do Rio de Janeiro, além de dois Centros de Atenção Psicossocial (Caps) e um Centro de Saúde Escola.

A maior parte das unidades (17 CMSs e 17 CFs) está localizada na Área Programática (AP) 5.2, que compreende as Regiões Administrativas (RAs) de Campo Grande e Guaratiba, na Zona Oeste da cidade.

Outras 13 CMSs e 17 CFs estão na AP 3.1, que reúne 19 bairros e comunidades da Região da Leopoldina, incluindo os complexos de favelas da Maré e do Alemão.

As demais encontram-se na Área Programática 5.1 (11 CMSs e 16 CFs), que tem as RAs de Realengo e Bangu; e na AP 2.2 (7 CMSs e 2 CFs), que contempla as RAs da Tijuca e de Vila Isabel.

Os Centros Municipais de Saúde e as Clínicas da Família oferecem serviços de atenção primária. Há mais de 200 unidades e CMSs e CFs por todo o Município do Rio.

Entre os serviços oferecidos pelos CMSs estão consultas individuais e coletivas; visita domiciliar; saúde bucal; vacinação; pré-natal; exames de raios-x; eletrocardiograma; exames laboratoriais de sangue, urina e fezes; ultrassonografia; curativos; planejamento familiar; vigilância em saúde; teste do pezinho; e tratamento e acompanhamento de pacientes diabéticos e hipertensos.

Já as Clínicas da Família têm como foco as ações de prevenção, promoção da saúde e diagnóstico precoce de doenças. As CFs são capazes de resolver 85% dos casos de quem busca atendimento no local e possuem equipes multidisciplinares com médicos, enfermeiros, técnicos de Enfermagem, agentes comunitários de Saúde, agentes de Vigilância em Saúde, dentistas e auxiliares e técnicos de Saúde Bucal.

Por sua vez, os Centros de Atenção Psicossocial (Caps) são unidades que realizam prioritariamente atendimento às pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de álcool e outras drogas, seja em situações de crise ou nos processos de reabilitação psicossocial.

Dentre as áreas de saúde da Prefeitura sob gestão do Viva Rio, está o projeto Teias (Território Integrado de Atenção à Saúde) Manguinhos, criado originalmente pela Fiocruz em parceria com os governos estadual e municipal, com o objetivo de integrar as ações de promoção, prevenção e assistência em saúde à população de forma territorial.

Campo Grande e Guaratiba - Área Programática 5.2

A AP 5.2 compreende 34 unidades da prefeitura sob a gestão do Viva Rio desde maio de 2021. São 17 Centros Municipais de Saúde e 17 Clínicas da Família distribuídas entre duas Regiões Administrativas (RAs): Campo Grande e Guaratiba. A RA de Campo Grande, com cerca de 484 mil habitantes, é a mais populosa da cidade, enquanto a de Guaratiba tem o pior Índice de Desenvolvimento Humano (0,744), entre todas as RAs cariocas.

A Região Administrativa de Campo Grande inclui os bairros de Santíssimo, Senador Vasconcellos, Inhoaíba e Cosmos, e suas unidades de saúde pública eventualmente recebem pacientes de municípios limítrofes, como Nova Iguaçu, Seropédica e Itaguaí.

CENTROS MUNICIPAIS DE SAÚDE

GUARATIBA

Alkindar Soares Pereira Filho

Alvimar de Carvalho

Dr. Maia Bittencourt

Dr. Mourão Filho

Raul Barroso

Woodrow Pimentel Pantoja

CAMPO GRANDE

Belizário Penna

Carlos Alberto Nascimento

Dr. Oswaldo Vilella

Dr. Pedro Nava

Garfield de Almeida

INHOAÍBA

Aguiar Torres

Dr. Adão Pereira Nunes

Prof. Edgar Magalhães Gomes

COSMOS

Mário Rodrigues Cid

Vila do Céu

SANTÍSSIMO

Professor Manoel de Abreu

 

CLÍNICAS DA FAMÍLIA

GUARATIBA

Agenor de Miranda Araújo Neto “Cazuza”

Dalmir Salgado

Dr. Hans Jurgen Fernando Dohmann.

José de Paula Lopes Pontes

CAMPO GRANDE

Antônio Gonçalves Villa Sobrinho

David Capistrano Filho

Isabela Severo da Silva

Lecy Ranquine

Maria José Papera de Azevedo

Medalhista Olímpico Arthur Zanetti

Medalhista Olímpico Bruno Schimdt

Myrtes Amorelli Gonzaga

INHOAÍBA

Ana Gonzaga

COSMOS

Rogério Rocco

Valdecir Salustiano Cardozo

SANTÍSSIMO

Sonia Maria Ferreira Machado

SENADOR VASCONCELOS

Everton de Souza Santos

Zona da Leopoldina - Área Programática 3.1

Com 30 unidades – sendo 17 Clínicas da Família e 13 Centros Municipais de Saúde –  a AP 3.1 localiza-se no entorno do eixo da Estrada de Ferro da Leopoldina e congrega seis Regiões Administrativas: Ramos, Penha, Vigário Geral, Ilha do Governador, Complexo do Alemão e Complexo da Maré.

O Viva Rio começou a gestão dessas unidades em abril de 2021.

O conjunto de bairros da AP 3.1 abriga, de acordo com o Censo de 2010 do IBGE, mais de 850 mil habitantes. Trata-se de uma população composta majoritariamente por jovens adultos – um terço do total está na faixa etária de 20 a 39 anos – e com 13% acima dos 60 anos.

CENTROS MUNICIPAIS DE SAÚDE

ILHA DO GOVERNADOR

Madre Teresa de Calcutá (Bancários)

Newton Alves Cardozo (Cacuia)

Parque Royal (Portuguesa)

COMPLEXO DA MARÉ

Vila do João

PENHA / COMPLEXO DA PENHA

João Cândido

São Godoredo

CORDOVIL

José Breves dos Santos

RAMOS

Américo Veloso

Maria Cristina Roma Paugartten

VIGÁRIO GERAL

Iraci Lopes

JARDIM AMÉRICA

Nagib Jorge Farah

OLARIA

José Paranhos Fontenelle

 

CLÍNICAS DA FAMÍLIA

ILHA DO GOVERNADOR

Assis Valente (Galeão)

Maria Sebastiana de Oliveira (Tauá)

Wilma Costa (Cocotá)

COMPLEXO DA MARÉ

Adib Jatene

Diniz Batista dos Santos

Jeremias Moraes da Silva

PENHA / COMPLEXO DA PENHA

Felippe Cardoso

CORDOVIL

Rodrigo Y Aguilar Roig

Nilda Campos de Lima

RAMOS

Valter Felisbino de Souza

VIGÁRIO GERAL

Joãosinho Trinta

Klebel de Oliveira Rocha

BRÁS DE PINA

Heitor dos Prazeres

BONSUCESSO

Augusto Boal

COMPLEXO DO ALEMÃO

Zilda Arns

PARADA DE LUCAS

Eidimir Thiago de Souza

PENHA CIRCULAR

Aloysio Augusto Novis

Bangu e Realengo – Área Programática 5.1

Área da Zona Oeste, que tem na linha férrea da Central do Brasil um importante meio de comunicação com o restante da cidade, conta com as RAs de Realengo e Bangu – essa última a de maior densidade demográfica da Zona Oeste.

O Viva Rio assumiu em maio de 2021 a gestão dos 11 Centros Municipais de Saúde e das 16 Clínicas da Família da AP 5.1. Mais da metade dessas unidades estão concentradas nos bairros de Bangu e Realengo.

 

CENTROS MUNICIPAIS DE SAÚDE

BANGU

Athayde José da Fonseca

Manoel Guilherme da Silveira Filho

Waldyr Franco

SENADOR CAMARÁ

Alexander Fleming

Silvio Barbosa

PADRE MIGUEL

Padre Miguel

VILA KENNEDY

Dr. Henrique Monat

JARDIM BANGU

Athayde José da Fonseca

MAGALHÃES BASTOS

Buá Boanerges Borges da Fonseca

CATIRI

Catiri

CONJUNTO TAQUARAL

Eithel Pinheiro de Oliveira Lima

SULACAP

Masao Goto

 

CLÍNICAS DA FAMÍLIA

REALENGO

Antônio Gonçalves da Silva

Armando Palhares Aguinaga

Faim Pedro

Nildo Eymar de Almeida Aguiar

Padre John Cribbin (Padre João)

Rogério Pinto da Mota

Rômulo Carlos Teixeira

BANGU

Cristiani Vieira Pinho

Fiorello Raymundo

Mário Dias de Alencar

Rosino Baccarini

SENADOR CAMARÁ

Kelly Cristina de Sá Lacerda Silva

Sandra Regina Sampaio de Souza

PADRE MIGUEL

Olímpia Esteves

VILA KENNEDY

Wilson Mello Santos/Zico

VILA ALIANÇA

Maria José de Sousa Barbosa

 

CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS II)

SENADOR CAMARÁ

Neusa Santos Souza

 

 

Tijuca e Vila Isabel - Área Programática 2.2

O Viva Rio assumiu, em março de 2021, a gestão de sete Centros Municipais de Saúde e duas Clínicas da Família que atendem aos bairros de Alto da Boa Vista, Andaraí, Grajaú, Maracanã, Praça da Bandeira, Tijuca e Vila Isabel. Ao todo, são 34 equipes de Saúde da Família e 9 equipes de Saúde.

O território abrangido por essas nove unidades de saúde compreende 55 km² e tem o segundo maior grupo etário de idosos da cidade (22,1% acima de 60 anos). De acordo com dados do Instituto Pereira Passos (IPP), tomando como referência o Censo IBGE de 2010, a região atendida tem cerca de 371 mil habitantes (cerca de 6% da população da cidade).

A área conta ainda com 33 favelas, dois terços delas localizadas na região da Tijuca. Duas unidades são caracterizadas como de “periculosidade e difícil acesso”: os CMS Nilza Rosa (Morro da Formiga) e Casa Branca (Complexo do Borel).

CENTROS MUNICIPAIS DE SAÚDE

TIJUCA

Heitor Beltrão

Nilza Rosa

Casa Branca

Carlos Figueiredo Filho (Borel)

VILA ISABEL

Maria Augusta Estrella

ALTO DA BOA VISTA

Nicola Albano

PRAÇA DA BANDEIRA

Hélio Pellegrino

 

 

CLÍNICAS DA FAMÍLIA

VILA ISABEL

Recanto do Trovador

GRAJAÚ

Odalea Firmo Dutra

Unidades Teia-Manguinhos

 

CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS II)

Carlos Augusto da Silva (Magal)

 

CENTRO DE SAÚDE ESCOLA

Germano Sinval Faria

 

CLÍNICA DA FAMÍLIA

Victor Valla