Outros Projetos

De Olho no LixoPrêmio Firjan Ambiental 2020 (2016-2021)

Gestão Integrada de Resíduos nas comunidades de Rocinha (maior favela do Rio de Janeiro), Vidigal e Roquete Pinto (Maré), notadamente no ciclo de vida do produto, na coleta seletiva e na logística reversa.

O objetivo: minimizar os impactos devastadores que o lixo causa naquelas comunidades, estimulando a geração de renda a partir dos resíduos. Até agosto de 2020, De Olho no Lixo garantiu o destino adequado a mais de 1.700 toneladas 0de resíduos e mais de 4.500 litros de óleo vegetal de cozinha usado.

Durante esse mesmo período, a Escola de Possibilidades Sonoras Funk Verde, ofereceu aulas e oficinas de música e construção de instrumentos, a partir da reutilização de resíduos, a mais de 500 alunos, o que resultou na produção de mais de 550 instrumentos, além da gravação de 9 composições musicais.

Já a Escola Circular de Moda Ecomoda, atendeu a mais de 400 alunos, durante as aulas e oficinas realizadas, totalizando a produção de 1.500 peças de roupas e/ou assessórios produzidos, bem como a quantidade de 3.420 máscaras barreiras contra a disseminação do novo Coronavírus.

Em razão da Pandemia de COVID-19 e da instauração do estado de quarentena, o Projeto adotou ações estratégicas para reduzir e minimizar o contágio nas comunidades envolvidas, dessa forma 1.718 moradores foram orientados quanto a maneira correta de higienização das mãos, foram produzidos e distribuídos gratuitamente 4.600 máscaras, 5.285 litros de cloro, além da doação de 1.015 sabonetes.

 

XÔ Coronavírus: Juntos vamos vencer! – Prêmio Firjan (2020)

Trabalhos nas comunidades da Rocinha, do Vidigal e da Roquette Pinto (Maré) para atuação na prevenção, informação, comunicação comunitária e educação sobre a Covid-19.

Foram instaladas 11 pias nessas favelas, dando acesso a água limpa e sabão, com a doação de 28 mil litros de cloro e 5 mil máscaras. Os produtos foram produzidos por agentes socioambientais (moradores contratados para a função) e doados nas comunidades.

 

Horta No Quintal II - Casa de Farinha (2015-2020)

Em parceria com a concessionária de energia Enel, foi implantada uma Unidade Produtiva, na modalidade Casa de Farinha, no Município de Magé (RJ).

A ideia foi beneficiar cerca de 15 pequenos produtores agrícolas da localidade, garantindo o beneficiamento do excedente do aipim que esses produtores não conseguem comercializar, de forma a reduzir e minimizar as perdas produtivas e econômicas.

Além da Enel, o projeto contou com a parceria da Prefeitura de Magé. A produção da Casa de Farinha foi escoada para as Unidades Escolares de Magé, fortalecendo a geração de renda comunitária e o alcance dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS).

 

AMA-Nos: Patrimônio Material e Imaterial do Carioca

Edição de vídeo de uma série documental com seis programas de 30 minutos cada. O objetivo foi o de gerar sentimento de pertencimento do carioca ao ambiente em que está inserido, notadamente dentro ou nos limites e entorno de Áreas Naturais Protegidas de Mata Atlântica do Município do Rio de Janeiro.

Os vídeos destacaram o patrimônio ambiental material e imaterial, mostrando fatos históricos do passado e do presente da convivência entre o carioca e seus hábitos culturais, comportamento, crença e culinária, entre outros, com destaque para memórias, histórias, riquezas sociais e culturais vinculadas à natureza e ao ambiente em que vive.

 

Ambiente Animal (2017-2019)

Controlar e a reduzir a população canina e felina doméstica, a partir de castrações e estímulo à guarda responsável, nas comunidades inseridas nos limites ou dentro das áreas de amortecimento das Unidades de Conservação estaduais. Entre julho de 2018 e novembro de 2019 o projeto realizou 5059 castrações, entre cães e gatos.

O projeto envolveu 174 comunidades, 106 protetores de animais e os municípios da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e os de Vassouras, Valença, Resende, Itatiaia, Paraty, Petrópolis, Teresópolis, Nova Friburgo e Macaé, no entorno de nove unidades de conservação estaduais, além de unidades federais e municipais adjacentes.

 

Enel Compartilha Inclusão Digital (2018-2019)

Projeto para implementação de quatro telecentros em diferentes localidades do Estado do Rio de Janeiro, em parceria com Enfoco e Reame (São Gonçalo), Associação Pestalozzi (Itaboraí) e Associação Igrejinha (Niterói). Entre janeiro de 2018 e março de 2019, o projeto beneficiou 855 jovens dessas localidades, por meio da oferta de aulas de reforço para oito disciplinas do Enem, bem como quatro oficinas de tecnologia.

 

Enel Compartilha Esporte e Lazer (2018-2019)

O projeto teve como objetivo a construção de uma quadra poliesportiva e a realização de um programa de aulas, com foco na formação esportiva e autogestão do centro esportivo.

O projeto foi realizado no Jardim Bom Retiro – Guaxindiba, em São Gonçalo (RJ), e entre janeiro de 2018 e dezembro de 2019 atendeu a cerca de 200 jovens da localidade, nas seguintes modalidades: Muay-tai, Jiu-Jitsu, Capoeira e Educação Física.

 

Guarda Parque (2017-2018)

Projeto de gestão de todas as Unidades de Conservação (UCs) do Estado do Rio de Janeiro, incluindo a contratação de guarda-parques e coordenadores, selecionados rigorosamente e treinados e preparados para atender às diferentes demandas das UCs estaduais – incluindo organograma/funções, gerenciamento, comunicação, operações, segurança, controles, relatórios etc.

O projeto contou ainda com o cumprimento das demandas da Diretoria de Biodiversidade e Áreas Protegidas do Inea, por meio do Serviço de Guarda-Parques (Segpar-Sede) e dos gestores das unidades de conservação.

 

Bio Rio - Programa de Reforço Hídrico Cachoeiras de Macacu (2013-2015)

Com recursos de Compensação Ambiental do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), da Petrobras, o projeto consistiu em apoiar a população atingida pela construção da barragem do Guapiaçu, promovendo a mediação de conflitos entre a Secretaria de Estado do Ambiente e Sustentabilidade (Seas) e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e os moradores atingidos pelo empreendimento. A barragem foi construída para abastecer o Estado do Rio de Janeiro e sanar a crise hídrica que estava em curso.

 

Bio Rio – Programa de Esgotamento Sanitário de Itaboraí (2013-2016)

Projeto voltado para a primeira etapa da obra da rede de esgotamento sanitário do Município de Itaboraí, promovendo a mediação entre poder público, empresas e sociedade civil através de cursos, eventos, palestras e encontros culturais.

Foram criadas ouvidorias itinerantes e domiciliares com equipes de assistentes sociais e articuladores socioambientais que levantaram as demandas dos moradores sobre o projeto.

Os cursos foram oferecidos a partir das demandas da comunidade – por exemplo, Aceleração Escolar e Informática Básica, além de aulas ligadas a Educação Ambiental, Cultura e Comunicação.

 

Bio Rio – Programa de Esgotamento Sanitário de Maricá (2013-2015)

Projeto similar ao do Município de Itaboraí, voltado para a mediação entre poder público, empresas e sociedade civil durante a construção de um emissário submarino.

Entre os cursos oferecidos a partir das demandas da comunidade, estavam Aceleração Escolar e Informática Básica, além de aulas ligadas à Educação, Cultura e Comunicação, tais como Hip Hop, Grafite e Multimídia.

O projeto foi realizado com recursos de compensação ambiental do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), da Petrobras. 

 

Campanha Manejo de Resíduo – Duque de Caxias (2016)

Projeto para desenvolver ações socioambientais com a comunidade de Xerém, na área de amortecimento da Reserva Biológica do Tinguá, em cumprimento de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).

Em 2013 houve despejo irregular de resíduo hospitalar por parte de uma empresa prestadora contratada para fazer o serviço de coleta nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs).

O local delimitado para a realização do projeto foi uma área rural do distrito de Xerém, situada entre os núcleos urbanos de Mantiquira (Duque de Caxias) e Tinguá (Nova Iguaçu). Além de fazer fronteira com o município de Nova Iguaçu, limita com a Unidade de Conservação Rebio Tinguá e forma parte da Zona de Amortecimento da UE.

 

Centro de Oportunidades e Efetividade Energética em Itaboraí (2014-2020)

Desenvolvimento de trabalho social ligado ao tema eficiência energética em parceria com a concessionária Ampla. O objetivo foi o de promover o diálogo e a mediação com a comunidade envolvida no processo de fornecimento de energia, com foco nas questões socioambientais e implementação de ações ligadas a Educação, Cultura e Comunicação.

O projeto foi desenvolvido inicialmente nas comunidades de Reta Velha e Caramujo, e, posteriormente na de Bom Retiro, oferecendo cursos gratuitos a partir das demandas da comunidade, como os de Corte e Costura, Artesanato, Grafite e Radiojornalismo, entre outros associados à temática socioambiental local, além de aulas de Aceleração Escolar.

O serviço de Ouvidoria foi promovido na sede e por visitas domiciliares e o projeto contou ainda com palestras, eventos e encontros culturais.

 

Centro de Oportunidades e Efetividade Energética no Jardim Bom Retiro, São Gonçalo (2014-2020)

Projeto em parceria com a concessionária Ampla, atual Enel. Executou serviços especializados de mediação e relacionamento com a comunidade sobre o processo de fornecimento de energia. O foco foram as questões socioambientais locais e a implementação de ações ligadas a Educação, Cultura e Comunicação.

O objetivo foi o de criar garantias de acesso das equipes da concessionária às áreas de risco, para mudança no padrão da rede, instalação de concentradores e medidores eletrônicos com blindagem de rede, de modo a reduzir perdas de energia, desenvolver hábitos de consumo consciente de energia e, concomitantemente, estimular o pagamento das faturas pela comunidade.